CCBB-BH recebe estreia de "Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos" - 17/06

Com texto de Silvia Gomez e direção de Wilson Oliveira, a montagem apresenta uma série de reflexões acerca dos tempos atuais.  No palco os atores Christiane Antuña, Gustavo Werneck, Raquel Lauar e Arthur Barbosa interpretam quatro amigos que vivenciam uma experiência marcante. 

Uma montagem teatral criada com o objetivo de refletir, provocar discussões e buscar respostas para os dilemas contemporâneos. Esta é a proposta do espetáculo “Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos”, do Grupo Teatral Encena, que estreia no próximo dia 17, às 20h, no Teatro I do Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB BH e pode ser conferida até 11 de julho. Logo após a sessão de estreia, no dia 17, haverá um bate-papo com o elenco, o diretor e com a dramaturga Silvia Gomez. No dia 02/07, a professora Elen de Medeiros, especialista nas áreas de Dramaturgia, Teoria e História do Teatro irá conduzir um bate-papo após a apresentação.  

A dramaturgia teve como ponto de partida e eixo central o texto da premiada Silvia Gomez. O processo contou também com a colaboração do diretor Wilson Oliveira e da Assistente de direção Adélia Carvalho, que fizeram a junção e a adaptação de duas versões diferentes do conteúdo inicia. Escrito durante os primeiros meses de isolamento social, o enredo trata sobre as angústias deste período. A autora começou a escrever e também a colecionar algumas frases que ia ouvindo de outras pessoas. Esse material foi sendo reunido e deu origem a um acervo, que acabou sendo transformado nos manuscritos.  

A primeira versão chegou a participar da mostra Cenas do Confinamento/Escenas del Confinamiento – Leituras Dramáticas Virtuais, em 2020, reunindo artistas brasileiros e de países como Argentina, Colômbia, Espanha e Peru. “Sempre acompanhamos a carreira da Silvia Gomez com muita atenção. Já tínhamos assistido montagens anteriores de textos dela. E quando nos deparamos com este, extremamente contemporâneo, que inclusive já tinha sido publicado até fora do país, pensamos na possibilidade de levá-lo para o teatro”, aponta o diretor e fundador do Grupo Teatral Encena, Wilson Oliveira.

A montagem acompanha a trajetória de quatro amigos que se reencontram durante um período crucial: a morte de uma amiga em comum. Esse luto coletivo faz com que eles se aproximem ainda mais uns dos outros. A partir de uma série de encontros regulares, que funcionam como uma espécie de catarse e de terapia coletiva, cada um vai tendo a oportunidade de falar, compartilhando com os demais suas angústias, medos e os sentimentos mais sinceros com relação a tudo que estão vivenciando. O espetáculo é uma reflexão importante sobre a relação entre a vida e a morte, os tormentos e as inseguranças da atualidade. Além disso, exalta a beleza dos encontros, das amizades e das conexões verdadeiras que estabelecemos ao longo da vida.

“São reflexões que giram em torno da metáfora do título ‘Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos’, uma vez que estabelecem uma conexão com a imagem e com a necessidade do falar, remetendo à ideia e à metáfora da coleção. Ao falar, na progressão dos encontros, as frases borbulham cada vez mais os corpos ali presentes. Quando falamos, fervilhamos. Porque estamos vivos!”, conclui a autora Silvia Gomez.

O enredo explora temas atuais, com foco nos impactos sociais. No elenco, destaque para os veteranos Gustavo Werneck, que está no grupo desde a primeira montagem (1984) e Christiane Antuña, que integra a companhia desde 1994. A atriz Raquel Lauar começou a trabalhar com o grupo em 2010, no espetáculo “Nossa Cidade”. Já o ator Arthur Barbosa foi integrado ao projeto logo depois de concluir o Curso de Formação Artística  do Palácio das Artes, o Cefart, trazendo um frescor para a cena, enquanto contribui para tirar o grupo de um possível lugar comum em função do forte entrosamento entre os demais integrantes. “Essa sinergia permite que a criação de um ambiente de cumplicidade onde um está sendo colaborando com o processo criativo do outro. Como nenhum dos atores sai de cena durante o espetáculo, essa interação é fundamental”, explica o diretor.

“Essas inquietações que vivenciamos durante o período de pandemia, que infelizmente ainda não chegou ao fim, influenciam o nosso processo de escuta, trazendo uma série de novas dificuldades para os relacionamentos humanos. Uma delas se dá em virtude do avanço das interações por meios digitais, que facilitam o contato, mas em contrapartida, trazem como consequência direta uma dificuldade na escuta, comprometendo a compreensão dos signos e das mensagens, além de estimular uma valorização quase que excessiva da imagem, descartando todo o conteúdo e o contexto. E isso gera tensão, adoecimento e até provoca uma visão muito distorcida de uma realidade muito próxima aos olhos. Por este motivo, acredito que este texto traz reflexões extremamente necessárias para este momento” destaca o diretor Wilson de Oliveira.

Comentários